10/04/2015

O CASAL SILVA ENSINA-NOS COMO FAZER UMA ESCRITURA BEM FEITA !

Recebido por email
No dia 9 de Julho de 1998, a notária Maria do Carmo Santos deslocou-se
ao escritório de Fernando Fantasia, na empresa industrial Sapec, Rua
Vítor Cordon, em Lisboa, para proceder a uma escritura especial.
O casal Cavaco Silva (cerimoniosamente identificados com os títulos
académicos de "Prof. Dr." e "Dra.") entregava a sua casa de férias em
Montechoro, Albufeira, e recebia em troca da Constralmada – Sociedade
de Construções Lda. uma nova moradia no mesmo concelho.
Ambas foram avaliadas pelas partes no mesmo valor: 135 mil euros. Este
tipo de permutas, entre imóveis do mesmo valor, está isento do
pagamento de sisa, o imposto que antecedeu o IMI e vigorava à época (
chamem-lhe parvo...)
Mas a escritura refere, na página 3, que Cavaco Silva recebe um "lote
de terreno para construção", omitindo que a vivenda Gaivota Azul, no
lote 18 da Urbanização da Coelha, já se encontrava em construção há
cerca de nove meses. (Não sabia que estava a cometer um crime por fuga
de pagamento de impostos ao Estado?...)

Segundo o "livro de obras" que faz parte do registo da Câmara
Municipal de Albufeira, as obras iniciaram-se em 10 de Outubro do ano
anterior à escritura, em 1997. ( que diferença faz? )
Tal como confirma Fernando Fantasia, presente na escritura, e dono da
Opi 92, que detinha 33% do capital da Constralmada, que afirmou, na
quinta-feira, 20, à VISÃO que o negócio escriturado incluía a vivenda.
"A casa estava incluída, com certeza absoluta. Não há duas escrituras.
( cada vez melhor)
"Fantasia diz que a escritura devia referir "prédio", mas não é isso
que ficou no documento que pode ser consultado no cartório notarial de
António José Alves Soares, em Lisboa, e que o site da revista Sábado
divulgou na quarta-feira à tarde.
Ou seja, não houve lugar a qualquer pagamento suplementar, por parte
de Cavaco Silva à Constralmada. ( e os favores?????). O Estado foi
lesado!!!

A vivenda Mariani, mais pequena, e que na altura tinha mais de 20
anos, foi avaliada pelo mesmo preço da Gaivota Azul, com uma área
superior (670 m2 de área coberta), inserida num lote de terreno que
foi valorizado como terreno agrícola ou outros fins, quando na verdade
se encontrava apto para a construção e localizado em frente ao mar, na
praia da Coelha, em Albufeira ( esta é a realidade, mas a fantasia de
Cavaco e de Fantasia era de que ali valia menos por causa do
vento...ah, ah ((Esperteza saloia!)
Fernando Fantasia refere que Montechoro "é a zona cara" (não é
verdade, fica a 3 km da praia!) e que a Coelha era, na altura, "uma
zona deserta"?, para justificar a avaliação feita. Que inocência, a de
Cavaco, ao trocar uma zona cara de Albufeira para um sítio inóspito,
ventoso!?...
A Constralmada fechou portas em 2004. ( claro) Fernando Fantasia não
sabe o que aconteceu à contabilidade da empresa. ( perdeu-se de
certeza... ).O empresário Fernando Fantasia, amigo de infância e
membro da Comissão de Honra da recandidatura presidencial de Cavaco
Silva, não se recorda se houve "acerto de contas" entre o proprietário
e a construtora. ( é da idade, começam a perder a memória...)
Quem é que se lembra disso agora? A única pessoa que podia lembrar-se
era o senhor Manuel Afonso [gerente da Constralmada], que já morreu,
coitado…" ( logo ele que fazia falta para confirmar a seriedade do
negócio...)
No momento da escritura, Manuel Afonso não estava presente.
A representar a sociedade estavam Martinho Ribeiro da Silva e Manuel
Martins Parra.
Este último, já não pertencia à Constralmada desde 1996, data em que
renunciou ao cargo de gerente.Parra era, de facto, administrador da
Opi 92.
Outro interveniente deste processo é o arquitecto Olavo Dias,
contratado para projectar a casa de Cavaco Silva nove meses antes de
este ser proprietário do lote 18, na prais da Coela, Albufeira.
Olavo Dias é familiar do Presidente da República, por afinidade, e
deu andamento ao projecto cujo alvará de construção foi aprovado no
dia 22 de Setembro de 1997.
(então explique lá, sr. Silva, como é que assina com sua mulher, uma
escritura de compra de um terreno agrícola ou para outros fins em
1998, onde estava em construção uma bela vivenda de três pisos e
piscisna, em fase de acabamento, quando sabia que existia um projecto
de construção elaborado por um arquiteto seu familiar, aprovado pela
Câmara Municipal de Albufeira em 1997, presidida por um
correligionário seu? A "habitação com piscina", ocupa "620,70 m2″ num
terreno de mais de1800.É composta por três pisos, e acabou de ser
construída, segundo os registos da Câmara a 6 de Agosto de 1999.

A única intervenção de Cavaco Silva nas obras deu-se poucos dias antes
da conclusão, a 21 de Julho de 1999, quando requereu a prorrogação do
prazo das obras (cujo prazo caducara em 25 de Junho).A família Cavaco
Silva ocupa, então, a moradia, em Agosto.
A licença de utilização seria passada quatro meses depois, a 3 de
Dezembro, pelo vereador (actual edil de Albufeira, do PSD) Desidério
Silva, desrespeitando, segundo revelou o jornal  Público, um embargo
camarário à obra, decretado em Dezembro de 1997, e nunca levantado. (
uma falha é natural, né?????)
Que fique bem claro que a transparência de métodos e seriedade de
processos do casal Silva não esta a ser questionada nem mesmo após o
conhecimento publico da profunda honestidade dos seus conselheiros e
colaboradores,antigos e actuais,  Dias Loureiro, Duarte Lima e amigos
(importantes na valorização a 125% dos seus títulos já quando o BPN
não podia devolver nada, nem sequer o capital investido, a ninguém).É
perfeitamente credível que, a uma semana de ser reeleito, quando
afirmou que "a operação era perfeitamente legítima" e com o caso BPN
há muito nas bocas do mundo, o Sr. Silva, ( pessoa que de economia e
finanças percebe muito pouco ) estava sinceramente convencido de que
não havia qualquer gigantesca fraude no banco (o seu conselheiro
pessoal tinha-lho assegurado segundo disse) e de que o BPN pagaria a
todos os seus credores, não só o capital investido mas também um
rendimento à taxa liquida de 25% (mais de 4 vezes superior ao mercado)
tal como lhe pagou a ele. "… O homem é honesto, para quê duvidar!"
(disse Dias Loureiro na antevéspera da sua reeleição).Aprendam com o
nosso presidente, pois ele, só vai estar mais cinco anitos…..(depois,
se isto alguma vez vier a ser esclarecido, ele emigra também como toda
esta porcaria em que nos vemos envolvidos)…
O Sr. Silva, que por mero acaso é Presidente da Républica portuguesa,
disse alto e bom som para os senhores jornalistas, que: " Ainda está
para nascer pessoa mais honesta que eu..."" Só que, como é bem
evidente, Cavaco, lesou o Estado Português!!! É este tipo de pessoa
menor, (este tipo de Deus maior  para o PPD/PSD) que atinge a
Presidência da República! Pobre povo português que não sabe escolher
mais do que escumalha, como esta...

Sem comentários: