12/07/2015

Sócrates varado

No princípio o enredo era mais simples. O Sócrates primeiro-ministro vigarizou um PROTAL para viabilizar o projecto do Vale de Lobo, e arrecadou as luvas respectivas. Só que era tudo mentira, quer dizer, era ficção duns investigadores e o barro não pegou.
Afinal foi o traste do Vara que facilitou, na Caixa, o empréstimo ao Batalha, para investir no Vale de Lobo. Por isso lhe cobrou uma comissão de doze milhões, que logo fez chegar à mão do Barroca (o tal do grupo Lena, e da Venezuela, e da Parque Escolar, e do TGV, e do novo aeroporto, e coisa e tal). O qual Barroca os despachou para a Suíça, os milhões, para uma conta em nome do Santos Silva, que era afinal desse traste do Sócrates, o culpado do pecado original. 
De formas que o melhor, a bem da senhora Justiça, era agasalhar rapidamente o Vara (que já andara a receber umas caixas de robalos), e pôr-lhe uma pulseira ao tornozelo. Por que razões ninguém sabe muito bem, mas isso agora não interessa nada. É que se a coisa não colou ao Sócrates, naquele caso do sucateiro da operação Face Oculta, algum dia há-se pegar. Nem que seja na mais pura das ficções. E água mole em pedra dura, desde que a imprensa não falhe, tanto dá até que fura! De modos que vai tudo pelo melhor até às eleições, e depois disso haveremos de falar

Sem comentários: