11/07/2017

AOFA corporativista quanto baste

"As Finanças ainda não deram luz verde para a Defesa admitir os 5650 militares autorizados para entrarem este ano nas Forças Armadas (FA), tanto nos quadros permanentes (QP) como nos regimes de voluntariado e contrato (RV/RC)"
"Note-se que a questão da falta de pessoal foi uma das mais referidas para explicar, embora de forma indireta, as lacunas verificadas ao nível da segurança humana nos paióis de Tancos, em que o Exército optou por dividir a responsabilidade por cinco unidades diferentes com caráter rotativo - e com as patrulhas reduzidas a uma dezena de praças chefiadas por um sargento."
"No plano político, a decisão das Finanças em não ter autorizado ainda este ano quaisquer entradas de efetivos para as fileiras - 631 nos QP e 5019 em RV/RC - acaba por se traduzir numa das formas de se cativar verbas na área da Defesa, enfatizou uma alta patente."
A AOFA, corporativista, continuar a querer fazer ver que o roubo em Tancos foi culpa da falta de efectivos.
Só isso?
Quanto à falta de efectivos profissionais nas fileiras, talvez se queira justificar o número exagerado de oficiais para o reduzido numero de sargento e praças?

Sem comentários: