11/02/2016

Frases soltas

  • De facto, depois de termos assistido ao tremendo escândalo, que foi a assinatura à pressa da privatização da empresa aérea pelo governo já demitido, o decoro aconselharia humildade e recato a quem revelou tão notória falta de escrúpulos.
  • Eu sei que não irá ser fácil dar a volta a jornais e televisões dominados por gente de direita, mas a prestação de Pedro Marques no programa da SIC explicou porque estou tão confiante quanto à lenta, mas sustentada progressão do governo nas sondagens. É que não haverá quem o consiga confrontar com contradições, incoerências ou provas de incompetência. Deixando aos seus críticos o papel de ficarem a cantar sozinhos um velho tema da Mina e de Adriano Celentano: Parole, parole, parole.

  • Há limites para a falta de honestidade e para o oportunismo político mas essa não aprece ser a praia de Nuno Magalhães. Atribuir ao actual governo quaisquer responsabilidades no aumento ou na redução do desemprego revela uma grande falta de respeito pela inteligência dos portugueses, domínio em que o deputado do CDS é campeão.
  • Mas o mais inusitado foi ver uma quase desconhecida deputada do PSD, Margarida Balseiro Lopes, chamar incompetente ao ministro, com trejeitos e gestos que se diria mais próprios de um rufião do que de uma deputada. Uma busca no site da Assembleia da República diz-nos que a deputada tem 26 anos, é “consultora fiscal” e no passado apenas exerceu cargos em associações de estudantes. Compreende-se, pois, alguma exacerbação juvenil nos seus gestos e palavras, que aliás, pareceram ter divertido o ministro, mas o problema é que os deputados do PSD mais ligados à economia e finanças são acometidos de igual excitação sempre que têm pela frente o ministro Centeno ou alguém que tente explicar e defender o orçamento de 2016. Por exemplo, as intervenções do deputado socialista João Galamba, causa-lhes uma verdadeira “urticária”.

Sem comentários: