13/02/2016

Deutsch Banca e Eutanásia

 . 
Mete nojo ver os nossos jornalistas e políticos de pacotilha todos excitados e à beira de um orgasmo por reproduzirem as piadolas do ministro das Finanças alemão a propósito do nervosismo dos mercados supostamente provocado pelo OE. Todos sabemos que o mal-estar nos mercados financeiros foi provocado pelas vigarices do Deutsch Bank e que o senhor alemão está usando Portugal para desviar as atenções do seu banco. Mas os nacionalistas portugueses, os rapazolas libertadores do protectorado e especializados em cronómetros da libertação, não se importam de dar uma ajuda ao alemão se isso conduzir à asfixia financeira do país, no pressuposto de que isso lhes devolve a manjedoura e o acesso a lambuzarem-se no imenso pote das gorduras do Estado. In “ O Jumento”

. Os negreiros e os nazis (honni soit)
Esse paraplégico mental mal sabe o que fazer do Deutsche Bank e do sistema financeiro alemão. Isto alguns anos depois de lhes andar a encher a bandurra à custa da penúria dos Untermenschen do Sul.
Entretanto vai fazendo a festa aqui, e apanha as canas além. Excita o grelo das galdérias do rating, em joguinhos conhecidos que ainda não esquecemos. E depois põe-lhes água na fervura, manifestando preocupação e tristeza pela subida dos juros. 
Bom era o Passos, sabemos, que reduzia o povo ao desespero e não pestanejava. Mas já aprendemos também que os negreiros e os nazis sempre se entenderam bem. In “Ladrar à Lua”

. Por conseguinte proponho que retiremos a Constituição do debate sobre a eutanásia. A Constituição não tem de ter resposta para todos os problemas políticos ou sociais, sobretudo quanto eles implicam juízos religiosos ou morais. Deixemos o espaço público debater serenamente a questão e o legislador decidir livremente, quando chegar o momento. In “ Causa Nossa”


Sem comentários: