23/10/2017

MANIFESTAÇÕES CONTRA OS INCÊNDIOS

ALFBARROSOFACEBOOKNEWSLETTER
«MANIFESTAÇÕES CONTRA OS INCÊNDIOS» SÃO MAIS UMA ORIGINALIDADE DA DIREITA LUSITANA ULTRA-REACCIONÁRIA
- comentário de Alfredo Barroso
A SIC Notícias está a anunciar com grande entusiasmo a realização de «manifestações contra os incêndios» (sic) em todo o país, subentendendo-se que os «incendiários» só podem ser os políticos «vermelhos» que estão no Governo e na Assembleia da República, ou seja, o «esquerdalho» acusado de ser o responsável por estar a fazer de Portugal um verdadeiro «churrasco».
«Manifestações contra os incêndios» (sic) são mais uma originalidade da direita e extrema-direita lusitanas. Como é que alguém se manifesta contra os incêndios? Com auto-tanques, mangueiras, agulhetas e baldes? Empunhando bisnagas e pistolas de água? Seria para rir, se não estivéssemos perante um pretexto político miserável que está a ser aproveitado, entre outros, pela ex-ministra da Agricultura de Passos Coelho e actual líder do CDS/PP para propor a demissão do Governo através de uma moção de censura na Assembleia da República! Como já disse, com graça, Jerónimo de Sousa, Assunção Cristas parece-se com aquele sapo (ou rã) que, de tanto querer ser tão grande como um boi (ou vaca) acaba por rebentar com grande estrondo.
Não me surpreenderá mesmo nada que, à frente dessas estranhíssimas «manifestações contra os incêndios» apareçam - além do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do Arcebispo Primaz de Braga, Jorge Urtiga, e de Assunção Cristas - os «pontas-de-lança» do comentário político de direita e extrema-direita nos diversos órgãos de informação controlados pela plutocracia - como por exemplo Miguel Sousa Tavares, José Miguel Júdice, Marques Mendes, José Manuel Fernandes, José Gomes Ferreira, Camilo Lourenço, David Diniz, Joana Petiz, Alberto Gonçalves e outros que tais - em representação de uma «minoria nada silenciosa» que não se conforma com a permanência de um Governo de Esquerda a exercer legitimamente o poder, ainda por cima com óptimos resultados, do ponto de vista económico, financeiro e social. A direita portuguesa não consegue disfarçar o seu lado «salazarento» e impiedoso que lhe vem da memória da ditadura do Estado Novo que durou 40 anos. E quer porventura reeditar, contra a Esquerda, a ridícula estratégia «spinolista» da «maioria silenciosa», de triste memória, no imediato pós-25 de Abril. É uma estratégia estúpida e canalha que urge denunciar!
Campo d' Ourique, 17 de Outubro de 2017
- comentário de Alfredo Barroso




Sem comentários: